Notícias

Ato Contra o Aumento da Passagem e em defesa do Meio-Passe em Porto Alegre

Ato Contra o Aumento da Passagem e em defesa do Meio-Passe em Porto Alegre

Na última terça, dia 28, os estudantes de Porto Alegre tomaram as ruas da cidade contra o aumento da passagem de ônibus e em defesa do Meio-Passe dos estudantes.

O ato teve concentração na Escola Parobé, no centro da cidade, onde saiu em direção a EPTC, onde ocorria a reunião do Conselho Municipal de Transporte Urbano – Comtu, com mais de 1000 estudantes. Na EPTC, ocorreram as falas de estudantes denunciando o aumento, “ É mais fácil os estudantes derrubarem o prefeito do que perderem o meio-passe, vou entrar na reunião do Comtu e deixar claro que os estudantes não vão aceitar este aumento”, disse Erick Denil, presidente da União Metropolitana dos Estudantes Secundários de Porto Alegre - UMESPA, “Hoje nossa aula é na rua, para lutar contra o aumento  e deixar claro que não vamos aceitar ninguém mexer nos nossos dieitos” frisou Marcos Prestes, presidente da UGES. Os ato seguiu em direção a prefeitura, no meio da passeata mais estudantes iam chegando no ato, na prefeitura, os estudantes encerraram o ato deixando seu recado para o prefeito Nelson Marchezan.

A EPTC encaminhou a proposta de R$ 4,05 para o Comtu, que foi aprovada com apenas 3 votos contrários da UMESPA, UAMPA e CUT.

Segue na íntegra a convocatória da UMESPA para o ato:

R$ 4,05 é roubo, NÃO ao aumento da passagem

Em Defesa do Meio-Passe!

      Na próxima terça feira, dia 28, acontecerá a reunião do Conselho Municipal de Transportes Urbanos – Comtu, para votar o aumento da passagem, o valor encaminhado pela EPTC é de R$ 4,05, um aumento de 30 centavos, que equivale a 8 %, ou seja maior que a inflação que é de 5,43 %.
      Todo ano é a mesma história, se aumenta a passagem acima da inflação, enquanto os ônibus continuam lotados, a licitação só serviu para trocar a cor dos ônibus. O Brasil já está com mais de 23 milhões de desempregados, os ajustes fiscais, PEC da Morte, proposta de Reforma da Previdência e Trabalhista só servem para passar nosso dinheiro aos bancos, tudo aumenta menos o salário do trabalhador, o povo não pode pagar por essa crise, no caso da passagem de ônibus, que saia do lucro dos empresários.
     Também não aceitaremos que mexam nos direitos dos estudantes, o Meio-Passe é um direito conquistado e mantido com muita luta, não aceitaremos retrocessos e queremos ampliar ainda mais conquistando o Passe Livre para todos os estudantes de Porto Alegre.
    No dia 28, vamos lotar as ruas de Porto Alegre para barrar este aumento da passagem e defender o Meio Passe.
União Metropolitana dos Estudantes Secundários de Porto Alegre – UMESPA 

Circuito de Cinema Soviético

Circuito de Cinema Soviético

A partir desta quinta (16/02) vai começar a programação de 2017 do Circuito de Cinema Soviético, com a exibição de "O CONTO DO CZAR SALTAN", às 19h15min, na Sala Norberto Lubisco, na Casa de Cultura Mário Quintana.

Valor: 
Terças, Quartas e Quintas-Feiras: R$ 12,00 (R$ 6,00 para Estudantes e Maiores de 60 Anos).
Sextas, Sábados, Domingos e Feriados: R$ 14,00 (R$ 7,00 para Estudantes e Maiores de 60 Anos).
Clientes do Banrisul: 50% de descontos em todas as sessões.

O CONTO DO CZAR SALTAN - 1966 I Colorido I 85 min I Fantasia
Direção: Aleksandr Ptushko / Roteiro: Aleksandr Ptushko / Música: Gavriil Popov.

Sinopse
Imortalizado na ópera de Rimsky-Korsakov, o poema de Aleksandr Pushkin sobre uma rainha traída pelas irmãs invejosas e exilada em uma ilha mágica com seu filho, recebe a adaptação do mestre dos efeitos especiais, cujas animações se integram à realidade com rara inteligência e leveza.

Ato contra PEC 241 do Temer e Pacote do Sartori

Ato contra PEC 241 do Temer e Pacote do Sartori

Os estudantes de Porto Alegre saíram às ruas nesta quinta-feira contra o pacote de maldades do Sartori e contra a PEC 241/55 do Temer. O ato teve concentração na Escola Parobé, a passeata passou pelas principais avenidas do centro de Porto Alegre, terminando no Palácio Piratini. Entre as palavras de ordem estavam: “Somos os estudantes e esse pacote nós vamos derrubar”, “Não, não, não à PEC, não, eu quero mais dinheiro para saúde e educação”. “Não sairemos das ruas até derrubar o pacote” afirmou o presidente da UGES, Marcos Adriano, “Sartori está aplicando o mesmo projeto de Temer, que prefere arrochar e agradar os banqueiros”, disse Erick Denil, presidente da União Metropolitana dos Estudantes Secundários de Porto Alegre - UMESPA.

A PEC é um assalto ao povo brasileiro, vai congelar os investimentos nos próximos 20 anos, na prática os investimentos serão os mesmos do ano anterior, tendo apenas o reajuste da inflação. A PEC 55 é um ataque direto na educação brasileira, tendo em vista que congelar os investimentos por duas décadas é sentenciar a escola e a universidade pública à desgraça. Segundo uma simulação do Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), se a PEC 241 estivesse desde 2002 em vigor R$ 377 BILHÕES não teriam sido investidos em educação.  O objetivo do governo Temer com essa PEC, é garantir que sobre mais dinheiro para entregar aos banqueiros, através da taxa de juros.

Sartori vai no mesmo caminho de Temer anunciando seu pacote de maldades, Sartori propõe privatizar empresas estratégicas como a CEEE, a CRM e a SulGás, cortar serviços públicos, extinguindo nove fundações, demitindo seus funcionários, quer arrochar os servidores aumentando a contribuição previdenciária e pagando apenas a metade do 13° salário.

 

 

Nota da UGES sobre a reforma do Ensino Médio

DEFENDER A ESCOLA PÚBLICA E DERROTAR A REFORMA DO ENSINO MÉDIO DE TEMER!

Na última quinta-feira, dia 22 de setembro, o governo Temer apresentou, através da Medida Provisória 746/2016, sua proposta de reforma para o ensino médio. A medida é a continuação das várias ações que o governo tem tomado para enfraquecer a educação e os serviços públicos no Brasil. A reforma propõe enfraquecer a escola pública, dá espaço para a privatização do ensino médio e deixa ainda pior as condições de trabalho dos professores.

Ela enfraquece a escola pública, pois empobrece o currículo obrigatório ao retirar as disciplinas de artes, educação física, sociologia e filosofia. O governo vai ainda mais longe ao dividir o ensino em 5 áreas (formação técnica, linguagens, ciências humanas, ciências da natureza e matemática) e autorizar os sistemas de ensino a oferecer somente uma das áreas, o que deixaria muitos estudantes sem poder cursar sua opção e permite aos governos tomar decisões que diminuam os recursos da área, prejudicando a formação dos alunos.

A reforma também propõe que parte da formação escolar possa ser feita em instituições parceiras (apelido bonitinho para cursos particulares) e chega ao ponto de autorizar que horas de trabalho possam substituir parte das aulas. O plano do governo Temer é, ao invés de aumentar o investimento do governo na escola pública, liberar o ensino privado e forçar o jovem a cada vez mais trocar a sala de aula pelo trabalho de baixa qualidade. E ainda admite o repasse de parte da ajuda federal aos estados para pagamento de bolsas de estudo na rede privada. É a privatização da escola ganhando força.

Outra intenção é a de deixar ainda mais precária as condições de trabalho dos professores e funcionários, pois permite a contratação de profissionais pela comprovação de notório saber ao invés de investir na realização de mais concursos e em melhores condições de trabalho para esses profissionais tão mal remunerados.

A proposta também cria a fantasia de um sistema de período integral, mas não cria nenhuma meta, não mostra como isso vai ser feito e não diz como isso será financiado. Temer e seus ministros já mostraram que não vão ampliar os investimentos do governo federal em educação e saúde, pois defendem a aprovação de uma PEC que congela por 20 anos o investimento nessas áreas e os governos estaduais e as prefeituras também não tem dinheiro para ampliar esse investimento. Um ensino integral sem mais investimento, sem merenda, sem infra-estrutura e sem melhores condições para os professores não é ensino integral. Um ensino integral desse jeito é prender o jovem em uma escola sucateada e enfraquecida.

Como se não bastasse tudo isso, o governo apresentou essa reforma por Medida Provisória, para apressar sua aprovação e impedir a discussão dessa absurda proposta pelos estudantes e pela sociedade. Nós queremos uma escola melhor, com melhores condições de estudos e salários decentes para seus trabalhadores, queremos reconstruir a escola pública do Brasil e toda a educação e, por isso, vamos lutar para derrotar esse ataque do governo Temer!

 

União Gaúcha Dos Estudantes - UGES
União Metropolitana Dos Estudantes De Porto Alegre - UMESPA
União Municipal dos Estudantes de São Paulo - UMES SP
União Estudantil de Fortaleza - UNEFORT

Parceiros

Encontre-nos